Santa Cruz vence Sport por 2 a 0 e tricampeão estadual

FOTO: Globo Esporte Pernambuco

Pela 27ª vez a Torcida Mais Apaixonada do Brasil pôde gritar “é campeão!”. Dentro da Ilha do Retiro, contra o Sport Recife, o Santa Cruz venceu o segundo jogo da final do Campeonato Pernambucano por 2x0, gols de Caça-Rato e Sandro Manoel e conquistou o título. Tricampeão, o Mais Querido surpreendeu pelo terceiro ano consecutivo e colheu os frutos do trabalho e da determinação.
O TIME: Repetindo a escalação do primeiro jogo, o técnico Marcelo Martelotte não teve suspense para revelar a formação. O time foi o seguinte: Tiago Cardoso; Éverton Sena (Nininho), William, Renan e Tiago Costa; Anderson Pedra, Luciano Sorriso, Raul e Renatinho (Tozo); Caça-Rato e Dênis Marques (Sandro Manoel).
O JOGO: Com o Santa Cruz tendo a vantagem do empate para garantir o título e o Sport Recife tendo de vencer para forçar o terceiro jogo, a partida se iniciou com os donos da casa procurando obter um volume de jogo maior e o tricolor demonstrando solidez na defesa.
Seguro no setor defensivo, o time Coral fez dos contra-ataques um trunfo. Enquanto o Sport Recife partia ao ataque e era contido pela zaga, a equipe Tricolor logo tratava de responder em rápidas jogadas de ataque.
Com esse enredo, quem acabou levando a melhor foi o Santa Cruz. Em um desses rápidos contra-ataques, Flávio Caça-Rato recebeu passe primoroso do lado direito de ataque, dentro da grande área, driblou o goleiro Magrão e mandou a bola para o fundo do gol. Era o 1x0 no placar para fazer explodir de alegria a Torcida Mais Apaixonada do Brasil.
Após o gol sofrido, com aproximadamente 25 minutos de jogo, o Sport Recife intensificou a pressão, querendo a todo custo minimizar o prejuízo. A partir daí brilhou a estrela do goleiro Tiago Cardoso. Em uma tarde inspiradíssima, o “Paredão Tricolor” fechou a meta do Santa Cruz, sendo providencial em diversos perigos proporcionados pelo ataque adversário.
Com o adversário pressionando, o Santa Cruz ia contendo o ímpeto do rival e assegurando a vantagem no placar nos primeiros 45 minutos de jogo. O time até conseguiu ir para o intervalo com a vitória parcial, mas sofreu um golpe antes do término da primeira etapa. Em uma jogada despretensiosa, o atacante Caça-Rato foi de herói a vilão ao pôr a mão na bola e tomar o segundo cartão amarelo e ser expulso.
SEGUNDO TEMPO: Com um homem a menos, a equipe tricolor foi para o segundo tempo com a missão de deter uma provável reação dos rubro-negros e assegurar o Tricampeonato estadual. A expectativa era de 45 minutos de muita emoção.
Como esperado, o Sport Recife se mandou ao ataque e o Santa Cruz fez o que pôde para impedir que o adversário abalasse a confirmação da conquista do Tri. Aguerrida, a equipe tricolor se viu obrigada a voltar as atenções para a defesa e redobrou os cuidados com os perigos efetuados pelo adversário.
Diante de 45 minutos de pura pressão do Sport Recife, os jogadores corais, desapegados a qualquer individualidade, fizeram o possível para que o adversário não tomasse gosto pelo jogo.
 
Nos únicos momentos de perigo do Santa Cruz para o Sport, quando o time obteve contra-ataques, o lateral direito Nininho, que entrou no lugar de Éverton Sena, desperdiçou grandes oportunidades de matar o jogo.
Mas, o Santa Cruz surpreendeu ao longo de todo o campeonato e não faria diferente nesses minutos finais. Na base da vontade, se aproveitando dos espaços deixados pela equipe rubro-negra, o Mais Querido, com gol de Sandro Manoel, selou a conquista do Tri.
Na base da raça, o Santa Cruz fez o que dele se esperava. Não deu para o Sport Recife. O Mais Querido confirmou o a conquista do Pernambucano sem a necessidade de uma terceira partida. Por seus méritos, o time mostrou eficácia e conquistou o terceiro Tricampeonato na história do clube.

FONTE: CORAL NET / AURINO ROSENDO

Santa Cruz News

Phasellus facilisis convallis metus, ut imperdiet augue auctor nec. Duis at velit id augue lobortis porta. Sed varius, enim accumsan aliquam tincidunt, tortor urna vulputate quam, eget finibus urna est in augue.