Adeus, Série C

Foi sofrido, em quase todos os sentidos, mas com a força que só o Santa tem, o tricolor se reencontrou com sua história e voltou à Série B, cinco anos depois, com gols de André Dias e Flávio Recife. Ai de quem não se arrepie com a emoção dos torcedores do Santa, que dão a vida pelo clube. Afinal, é muito digno chorar de alegria.
Foto: Bernardo Vitor Dantas/ Diário de Penambuco.
O título desta matéria diz tudo. Após toda a humilhação perante a torcida coral, após navegar na barca do inferno, o Santa Cruz – como uma fênix – literalmente, ressuscitou. Não foi nem um pouco fácil, pelo contrário, visto que time tricolor foi o último a conseguir o acesso à Segunda Divisão Nacional, devido as confusões que atrasaram em mais de uma semana, o jogo entre Santa e Betim. Com a bola rolando, a cobra coral lançou seu veneno e não deu chances ao adversário, que já havia perdido o primeiro jogo, em Nova Serrana, por 1x0.

Antes da partida, o torcedor coral já dava sua festa nas arquibancadas, faltando mais de uma hora para o início do jogo. Festejo que só não foi perfeito devido às irresponsabilidades causadas pelas torcidas uniformizadas. Com o Arruda totalmente tomado, foi a hora de – enfim – a bola rolar. O Santa Cruz foi o primeiro a tomar iniciativa, logo aos 6 minutos, André Dias e Siloé fizeram uma tabela envolvente, mas o centroavante bateu em cima do goleiro Felipe. A jogada serviu para marcar território coral, o Santa corretamente se impôs no início da partida. Mas, infelizmente, não durou muito.

Siloé, cochilando em campo, perdeu a bola e quase virou o vilão, logo aos 12 minutos, salvo pelo volante Sandro Manoel, que travou o chute de Marion. Dois minutos depois, Marion assustou novamente, mas o arremate saiu na rede pelo lado de fora. Vale lembrar que o camisa 11 do Santa, já havia se apresentado mal no jogo de ida, mas mesmo assim foi escalado como titular para a partida decisiva. O Betim continuava trazendo perigo, aos 18 minutos foi a vez de Tiago Cardoso defender o chute de Marion e salvar o escrete coral.

O atacante do Betim era, notavelmente, o melhor jogador do time. Visto que, Marion já havia feito um belo jogo na Arena do Calçado, quando a cobra coral venceu por 1x0, com gol de Tiago Costa. Mas o Santa conseguiu equilibrar as ações e quase abriu o placar aos 27 minutos da primeira etapa, André Dias – totalmente livre – cabeceou e por pouco não abriu o placar. Dois minutos depois, Tiago Costa lançou uma bomba da entrada da área, mas dessa vez, a bola foi por cima. Aos 31, Siloé se redimiu da falha no início do jogo, o atacante conseguiu segurar a bola com muita raça e rolou para Everton Heleno de frente à meta do Betim. Esbanjando falta de técnica, o volante tricolor isolou a bola.

Raul, com 36 minutos, apareceu pela primeira vez no jogo. O meia bateu de muito longe, mas, mesmo assim levou perigo ao goleiro Felipe. Com mais posse de bola, o Santa buscava o lugar certo, na hora certa. Mas não dava pra cochilar enquanto Marion tirava a tranquilidade da zaga tricolor. Com isto, a melhor defesa era o ataque, e o Santa foi pra cima. Aos 42 minutos, Sandro Manoel achou André Dias, que bateu forte, mas a bola foi na rede pelo lado de fora. A chance, foi a última do primeiro tempo para ambas as equipes.

O segundo tempo o Santa começou com o pé direito, logo com 2 minutos André Dias, outra vez, por pouco não abriu a contagem, o arqueiro do Betim operou um verdadeiro milagre, defendendo com os pés e salvando o time mineiro. Mas o jogo era muito nervoso, e o Betim assustou com 7 minutos do segundo tempo. Wescley, pegou bem de canhota, mas Tiago Cardoso – o paredão – salvou o Santa Cruz de novo. Aos 12 do segundo tempo, Raul cobrou falta e a bola sobrou para André Dias, que só deslocou o goleiro do Betim para abrir o placar para o mais querido. 
Foto: Duda Matos/ JC Imagem.
Emoção total nas repúblicas independentes do Arruda, o autor do gol se emocionou tanto quanto os torcedores apaixonados. Foi lindo, porém, aos 20 minutos da segunda etapa, Max deixou tudo igual. Agora, a aflição era visível em todos os rostos presentes no José do Rêgo Maciel, afinal, com mais um gol o Betim conquistaria a classificação para a Segunda Divisão do Futebol Nacional no ano que vem. Visto que, com a vitória por 2 a 1 e dois gols feitos fora de casa, o Betim conseguiria a vaga de acesso.

Depois disto, foi tensão em cima de tensão. Wescley aos 37, tirou tinta da trave das traves de Tiago Cardoso. O Arqueiro coral viria a salvar o Santa outra vez aos 39, de novo com Wescley azucrinando a defesa tricolor. Mas dentro de campo tinha um jogador predestinado a ser ídolo. Flávio Recife entrou no lugar de Siloé, e marcou o gol que deu o acesso ao Santa. Emocionante, gritante, este domingo, 3 de Novembro de 2013 entrou para a história gloriosa do Santa Cruz que, no ano que vem, completará cem anos e lutará para chegar a primeira divisão.  

Ficha técnica

Santa Cruz

Tiago Cardoso; Oziel, Everton Sena, Renan Fonseca e Tiago Costa; Sandro Manoel, Everton Heleno (Luciano Sorriso), Dedé e Raul; Siloé (Caça-Rato) e André Dias (Leandro Souza). Técnico: Vica.

Betim
Felipe, Adalberto, André Luiz (Carlos Júnior), Max e Tiago Santos; Denilson, Jean Cleber, Patrik (Da Silva) e Wescley; Marion (Tássio) e Rodrigo. Técnico: Moacir Júnior.

Local: Arruda (Recife-PE).
Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (PA)
Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho (Fifa-SP) e Carlos Augusto Nogueira Junior (SP)
Gols: André Dias (S) e Caça-Rato (S); Max (B)
Cartões amarelos: Tiago Cardoso (S)
Público: 60.040
Renda: R$ 1.392.610,00

Felipe Holanda

Phasellus facilisis convallis metus, ut imperdiet augue auctor nec. Duis at velit id augue lobortis porta. Sed varius, enim accumsan aliquam tincidunt, tortor urna vulputate quam, eget finibus urna est in augue.